Prefeitura fará ‘quebra cadeado’ para combater dengue em imóveis fechados

Rio Claro está intensificando as ações contra o mosquito transmissor da dengue.

A prefeitura de Rio Claro está ampliando as ações preventivas contra o mosquito transmissor da dengue. Para eliminar criadouros, os agentes públicos de saúde vão entrar em imóveis fechados que estejam abandonados ou na ausência ou recusa do responsável em permitir o acesso das equipes da saúde. O decreto será publicado nesta semana no Diário Oficial. “É uma questão de saúde pública, na guerra contra o Aedes aegypti faremos o ‘quebra cadeado’ sempre que necessário”, frisa o prefeito João Teixeira Junior, o Juninho da Padaria.

O mais recente levantamento da Vigilância Epidemiológica registra 138 casos de dengue no município desde primeiro de janeiro. Além disso, a Análise de Densidade Larvária (ADL) do município com dados de abril causa preocupação devido à quantidade de criadouros existentes na cidade. A ADL apontou índice de 1.7, ou seja, situação de alerta, de acordo com classificação da Organização Mundial de Saúde.

“Estamos tomando medidas mais enérgicas pela eliminação dos criadouros do Aedes, pensando na saúde pública”, destaca a secretária municipal de Saúde, Maria Clélia Bauer. “Imóveis fechados não podem ser um empecilho para o plano de contingência que estamos executando para reduzir os riscos de proliferação da dengue”, acrescenta.

A mobilização de Rio Claro contra dengue inclui os mutirões semanais em que grandes quantidades de potenciais criadouros estão sendo retirados de residências e terrenos. Até agora, 19 toneladas foram recolhidas, número que reforça a necessidade de a população se engajar na luta contra o Aedes aegypti, que também transmite zika vírus, chikungunya e febre amarela.

O decreto que autoriza os agentes de endemias a entraram em imóveis fechados tem como base lei municipal 4909 de 2015 e lei federal 13301 de 2016. No caso da legislação municipal, a lei deixa claro que a responsabilidade com os cuidados sanitários de seus imóveis, de forma a garantir a saúde coletiva, é obrigação dos proprietários.

Além disso, a comunidade pode colaborar com a eliminação dos criadouros utilizando os serviços que a prefeitura disponibiliza para o descarte correto de materiais. O município conta com coleta de lixo domiciliar nos bairros três vezes por semana, coleta seletiva de lixo, caminhão cata bagulho e seis ecopontos.

Quase 20.000 ainda não tomaram vacina contra a gripe

Vacinação vai até o final do mês em todas as unidades de saúde.

Balanço divulgado na segunda-feira (6) pela Secretaria de Saúde de Rio Claro após o Dia “D” da campanha realizado no sábado (4) mostra que mais da metade das pessoas que pertencem aos grupos prioritários ainda não procuraram a unidade de saúde para serem imunizadas. Desde o início da campanha, 24.431 pessoas foram vacinadas contra a gripe, o que representa 40,18% de cobertura vacinal. A campanha vai até dia 31 de maio.

“Ainda temos mais de 20 dias de campanha e há tempo para as pessoas pertencentes aos grupos prioritários procurarem a unidade de saúde para receber a vacina”, destaca Maria Clélia Bauer, secretária de Saúde, orientando a população para que procure a unidade de saúde o quanto antes. A vacinação é realizada em todas as unidade básicas de saúde e unidades de saúde da família.

Até o momento foram vacinadas 4.098 crianças até cinco anos (33,06%); 782 gestantes (42,78%); 177 puérperas (59%); 12.507 idosos com mais de 60 anos (49,42%); 1.922 trabalhadores da saúde (32,35%); 557 professores (27,71%); e 4.276 portadores de doenças crônicas (32,84%).

Também devem ser imunizados contra a gripe adolescentes e jovens de 12 a 21 anos que estão sob medidas socioeducativas; população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional; e policiais e bombeiros que estão na ativa.

Quem estiver com alguma vacina em atraso poderá colocar a carteira de vacinação em dia.  Para isso basta apresentá-la na unidade de saúde. A lista com endereços e telefones das unidades de saúde de Rio Claro está no site http://www.saude-rioclaro.org.br/enderecos.htm. A meta estabelecida pelo Ministério da Saúde é vacinar 42.113 pessoas em Rio Claro.

Prefeitura fecha área de APP na área rural

Medida visa coibir descarte irregular de lixo no local.

A prefeitura de Rio Claro fechou o acesso a uma Área de Preservação Ambiental (APP) na área rural do município, que vinha sendo utilizada para o descarte irregular de lixo e entulho. A área fica no prolongamento da Avenida 11 e dá acesso aos bairros rurais Sitinho, Farol e Campo do Cocho e fica logo após ponte sobre o rio Corumbataí. O fechamento com alambrado começou no sábado (4) e foi concluído nesta segunda-feira (6).

“Infelizmente essa foi uma medida necessária para preservar a APP e prevenir inundações, já que todo o material descartado no local é levado para o rio Corumbataí”, comenta o prefeito João Teixeira Junior, o Juninho da Padaria. “Nosso objetivo com a instalação do alambrado é restringir o acesso à área para dificultar qualquer ação de descarte irregular”, acrescenta o prefeito Juninho, lembrando que a colaboração da comunidade é fundamental para manter a cidade mais limpa.

Desde o início do ano várias ações de manutenção e limpeza foram realizadas no local que sempre volta a ficar sujo decorrente de descarte irregular. “Pelo menos uma vez por mês temos que fazer a limpeza desse terreno”, explica Emilio Cerri, secretário municipal de Agricultura, Abastecimento, Silvicultura e Manutenção. A área tem placa indicando que o descarte é proibido, mas a sinalização é desrespeitada. “Colocaram fogo na placa que terá de ser substituída”, informa Cerri.

A Associação dos Moradores do Campo do Cocho (Amocc) aprova o trabalho realizado na APP. “A instalação do alambrado vai evitar que pessoas destruam o meio ambiente com descarte de resíduos”, afirma o presidente da entidade, Antonio Santoro. De acordo com ele, o fechamento vai impedir que a APP também seja utilizada como esconderijo de produtos de furto e roubo. “Carcaças de veículos e outros objetos são descartados no local e incendiados, e se o proprietário rural não consegue provar que foi incêndio criminoso tem que pagar multa visto que é responsável pela área”, explica Santoro.

A instalação de alambrado na APP faz parte das melhorias realizadas pela prefeitura na área rural, que incluem recuperação de estradas, reconstrução de pontes, serviços de manutenção e limpeza, e implantação de placas de identificação, entre outras ações.

Uma tonelada de materiais recolhidos em mutirão da dengue

Agentes percorreram imóveis no Jardim Boa Vista no sábado.

Como parte dos esforços da prefeitura de Rio Claro para prevenir a dengue, mutirões são realizados aos sábados. No último sábado (4) cerca de uma tonelada de materiais foi recolhida no Jardim Boa Vista, onde os agentes da Secretaria de Saúde realizaram vistorias nas residências e orientaram a comunidade.

“A soma de materiais recolhidos nos mutirões realizados neste ano chega a 19 toneladas e sem esse trabalho, possivelmente, todo este material estaria sendo utilizado pelo mosquito Aedes aegypti para se reproduzir”, observa Paula Kanebbley, diretora de Vigilância em Saúde.

Durante o mutirão de sábado (4) foram percorridos quase 1.100 imóveis e o trabalho teve o apoio do caminhão cata bagulho. “A colaboração da comunidade no combate à dengue é fundamental e é preciso que todos estejam conscientes de que para evitar o mosquito é necessário descartar corretamente os materiais e impedir o acúmulo de água”, destaca Diego Reis, gerente do Centro de Controle de Zoonoses. Além da dengue o Aedes transmite zika vírus, chikungunya e febre amarela.

O trabalho realizado pela Secretaria Municipal de Saúde inclui ainda orientações à comunidade e visitas casa a casa durante a semana. A mais recente Análise de Densidade Larvária (ADL) registrada no município apontou índice de 1,7, situação de alerta segundo escala da Organização Mundial de Saúde. Para o levantamento foram visitadas 2.500 residências e em 441 delas foram encontradas larvas do mosquito. Neste trabalho também foram identificados 4.549 recipientes que poderiam acumular água e se tornarem criadouros do mosquito.

Boletim divulgado na quinta-feira (2) pela Vigilância Epidemiológica mostra que o número de casos de dengue confirmados em Rio Claro chegou a 138 neste ano.