Luta contra racismo é destaque na abertura da Semana de Ogum

Rio Claro realizou na noite de segunda-feira (23) a cerimônia de abertura da “Semana Ogum e Suas Origens Culturais – A Cultura Africana entre Nós”. Autoridades e representantes de vários segmentos sociais participaram do evento realizado no Casarão da Cultura. A luta contra o racismo e a intolerância religiosa permeou os discursos das autoridades que defenderam a liberdade de raça, cultura, credo, gênero e expressão.

“A luta contra o racismo e a intolerância religiosa deve ser diária e um dever de todos nós. Devemos pregar a cultura da paz e da união e termos consciência de que as atitudes e ações é que fazem a diferença na vida do ser humano e não sua cor ou religião”, defendeu o prefeito João Teixeira Junior, o Juninho da Padaria, em sua fala.

Juvenal Araújo, secretário nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, destacou a importância da Semana de Ogum para eliminar preconceitos. “A demonização das religiões de matriz africana faz com que a intolerância religiosa impere no Brasil e eventos como este pode quebrar paradigmas”, declarou Araújo, cumprimentando Rio Claro pela iniciativa de instituir a lei que deu origem à Semana de Ogum e realizar um evento de promoção e valorização da cultura africana. “Rio Claro dá exemplo para o país”, disse.

A secretária municipal da Cultura, Daniela Ferraz, observou que a Semana de Ogum é mais uma das ações afirmativas realizadas pelo município para discutir diversos temas relevantes para a sociedade. “Reunir essa diversidade de pessoas para discutir temas relativos à comunidade negra fortalece o movimento”, frisou. O presidente da Câmara Municipal, André Godoy, falou de sua alegria em participar de um evento tão plural quanto a Semana de Ogum, que prima pelo respeito, amor e pelo culto à liberdade.

Autor do projeto de lei que originou a Semana de Ogum, o vereador Geraldo Voluntário agradeceu o apoio da prefeitura na realização do evento criado em Rio Claro que está se espalhando para outros municípios. Já o babalorixá André Luís de Moraes, sacerdote e presidente da Federação Umbandista Caminho dos Orixás, observou que a falta de conhecimento impede que as pessoas conheçam a cultura dos orixás, que prega amor e respeito. O vereador Val Demarchi assinalou que “um povo sem cultura não se desenvolve e eventos como a Semana de Ogum são importantes para resgatar a preservar a história”.

Efrén Colombani, assessor de Cultura para Gêneros e Etnias da Secretaria Estadual da Cultura, ressaltou a importância do evento diante do momento difícil que o Brasil atravessa com acirramento da intolerância para as questões sociais, de gênero e diversidade sexual. “Que outros municípios possam se espelhar em Rio Claro e fazer esse bonito trabalho em prol da cultura negra”, salientou.

Também participaram do evento os assessores municipais Josiane Martins da Silva (Direitos Raciais), Amanda Albarral (Juventude) e Jaqueline Alves (Mulher); o presidente da Câmara Municipal de Pirassununga, Leonardo Sampaio; Bruno Vicente Pimentel, da Coordenadoria Estadual de Políticas para a População Negra e Indígena; Luckson Joseph, presidente da Associação Comunidade Haitiana; além de líderes religiosos, grupos de capoeira e membros da comunidade negra.

Na cerimônia de segunda-feira (23) também foram abertas a mostra “Ogum e suas origens” e a exposição fotográfica “A arte negra na cultura brasileira”, que o público poderá conferir até sexta-feira (27) no Casarão da Cultura. A Semana de Ogum prossegue até domingo (29) com diversas atividades gratuitas. Nesta quarta-feira (25) haverá visitação e roda de história com alunos do ensino fundamental, às 8 horas e às 13h30, no Casarão da Cultura. Às 19 horas, no Centro Cultural Roberto Palmari, será realizado workshop de dança africana ministrado pela bailarina Regina Santos. A entrada é franca.