“Envolvimento da comunidade é primordial no combate à dengue”, afirma secretária

Secretária da Saúde fala dos serviços feitos pela prefeitura e volta a pedir envolvimento da comunidade.

Indústrias, escolas, comércio e a comunidade também têm que participar do combate à dengue. Esse foi o tom da reunião ordinária do Comitê de Antropozoonoses realizada na manhã desta quinta-feira (2) e coordenada pela secretária de Saúde de Rio Claro, Maria Clélia Bauer. “A dengue é um problema de todos e precisamos do envolvimento de toda a comunidade para um efetivo controle e contenção da doença”, afirma Maria Clélia.

Representantes de todas as secretarias municipais participaram da reunião que destacou o papel de cada pasta nas ações de combate à dengue. Também foi ressaltada a importância da atuação intensa e efetiva das brigadas que atuam no combate à dengue nas indústrias, escolas e estabelecimentos comerciais, e outros locais com grande concentração de pessoas. “Cada um deve fazer uma criteriosa inspeção de seus territórios, e os moradores de suas residências onde se concentram o maior número de criadouros do mosquito”, frisa. Levantamento do setor de Vigilância Epidemiológica mostrou que, num universo de 2.500 residências visitadas, foram identificados 441 casas com larvas do mosquito e 4.549 recipientes que poderiam acumular água e se tornarem criadouros do mosquito.

As unidades básicas de saúde e unidades de saúde da família também fazem parte desse plano de contingência. “Vamos intensificar o atendimento nos postos de saúde que são a porta de entrada na rede pública. As pessoas com sintomas de dengue devem procurar a unidade mais próxima de sua casa para receber orientações e atendimento, com hidratação e coleta para exames se necessário”, explica Maria Clélia, ressaltado que o atendimento nas UPAs é destinado para casos de urgência e emergência.

Outra medida a ser intensificada será o trabalho com os acumuladores de materiais que podem se tornar possíveis criadouros do mosquito Aedes aegypti. “Essas pessoas precisam ser conscientizadas e compreenderem que estão expostos e expondo outras pessoas à dengue”, destaca a secretária, lembrando ainda que o alerta vale para proprietários de imóveis desocupados. “Nossas ações têm foco educativo, mas se necessário vamos dispor das medidas legais para notificar e autuar os responsáveis”, alerta.

O município tem 138 casos confirmados de dengue, segundo boletim divulgado nesta quinta-feira (2) pela Vigilância Epidemiológica. Além disso, a Análise de Densidade Larvária (ADL) está com índice 1.7, considerado situação de alerta. A prefeitura vem realizando de forma permanente as ações de combate ao mosquito. Agentes do CCZ percorrem a cidade vistoriando residências e orientando a população. Mutirões são realizados aos sábados e neste ano já foram recolhidas 18 toneladas de materiais possíveis criadouros do Aedes.