Vinte milhões só para recapeamento sem cobrar da população

Financiamento para realizar as obras será pago pela prefeitura.

O prefeito João Teixeira Junior, o Juninho da Padaria, deverá encaminhar nesta semana à Câmara Municipal projeto de lei solicitando autorização dos vereadores para financiar R$ 20 milhões. Se aprovado o crédito pelos parlamentares, os recursos serão utilizados exclusivamente em obras de recapeamento, sem cobrança aos moradores.

O crédito seria obtido junto ao Finisa (Financiamento à Infraestrutura e ao Saneamento) da Caixa Econômica Federal. “Tenho andado pelas ruas da cidade e sei da necessidade de fazer recapeamento para recuperar ruas onde o asfalto está muito deteriorado”, comenta prefeito Juninho, acrescentando que o problema também tem sido apontado por vereadores que recebem reclamações da comunidade. “Hoje, uma das principais queixas dos moradores são os buracos nas ruas, que já causaram acidentes de trânsito, inclusive com vítimas”, destaca o prefeito.

De acordo com ele, o dinheiro não é suficiente para recuperar todas as vias públicas do município, mas irá minimizar bastante o problema, especialmente na periferia que tem o asfalto em situação muito ruim. “A prefeitura tem feito tapa-buracos com recursos próprios e serviços de recapeamento com dinheiro de emendas parlamentares, porém é preciso ampliar os trabalhos de recape e isso somente será possível com o financiamento”, explica Juninho, lembrando que bairros que recentemente receberam recapeamento de algumas ruas com recursos de emendas, como o Cervezão, ainda têm muitas vias públicas esburacadas, assim como outros bairros da cidade.

“Temos vontade de fazer o recapeamento, mas no momento falta dinheiro”, esclarece o prefeito observando que a administração tem menos de 1% do orçamento disponível para investimentos. A maior parte da receita municipal está comprometida com folha de pagamento (54%), educação (25%) e saúde (15%), totalizando 94%, restando muito pouco para a manutenção das demais secretarias e investimentos. “Sem o financiamento não temos condições de fazer o recapeamento”, frisa Juninho, salientando que o financiamento está sendo solicitado somente agora porque antes a prefeitura não tinha as certidões negativa de débito (CND) e de regularidade previdenciária (CRP) e não podia obter crédito.

Além dos recursos para recapeamento, a prefeitura pretende conseguir um financiamento da ordem de R$ 30 milhões para pavimento novo, assunto que teve a aprovação dos moradores dos 18 bairros que estão total ou parcialmente sem asfalto. Ao contrário do recapeamento, os serviços de pavimentação serão pagos pelos moradores beneficiados com a melhoria.

“As ruas esburacadas têm sido uma das principais queixas da população e o financiamento é a solução para solucionar o problema em curto prazo”, afirma o prefeito Juninho, observando que diante da crise financeira outros municípios têm também recorrido ao financiamento para realizar investimentos em infraestrutura, sendo que Rio Claro já utilizou deste expediente para realizar obras, como a drenagem para contenção de enchentes no Jardim Inocoop.