Combatentes da Revolução de 1932 são reverenciados em evento em Rio Claro

Centenas de rio-clarenses participaram do conflito e três soldados morreram.

O município de Rio Claro realizou na terça-feira, dia 9 de julho, evento para celebrar os 87 anos da Revolução Constitucionalista de 1932. A cerimônia prestou homenagem aos combatentes que participaram do conflito armado, incluindo 483 rio-clarenses que se alistaram como voluntários. Quase mil soldados morreram na luta iniciada em 9 de julho e encerrada em 4 de outubro de 1932, inclusive três rio-clarenses: Othoniel Marques Teixeira, Benedito Carlos Brunini e Domingos Mazullo.

Para Pedro Zonta, presidente do Clube 21 Irmãos Amigos, esses valorosos soldados combateram em defesa da Constituição e pela restituição de direitos e liberdade, e esse ato heróico consolidou a democracia e espírito constitucionalista. “Essa homenagem ao movimento sinaliza que os ideais da revolução não morreram e, além de reverenciar os combatentes, também serve como exemplo às novas gerações”, afirmou Zonta na solenidade realizada na entrada do Cemitério Municipal São João Batista.

O prefeito João Teixeira Junior, o Juninho da Padaria, observou que devemos trabalhar com afinco para fazer a diferença no presente e no futuro, porém sem esquecer aqueles que construíram o Estado de São Paulo. “O dia 9 de julho não é um simples feriado e sim uma data para que possamos refletir sobre o movimento e agradecer as pessoas que fizeram e continuam fazendo a diferença em nossa história”, disse Juninho, lembrando que hoje a revolução é outra, principalmente contra a corrupção, e devemos trabalhar para envolver as pessoas na luta em prol da União, estado e município. “Façamos nossa revolução a cada dia para transformar a sociedade”, completou.

Ao lado da esposa Candinha Demarchi, o ex-deputado Aldo Demarchi lembrou que em 1997 votou na Assembleia Legislativa o projeto de lei, que deu origem à lei estadual que tornou o dia 9 de julho feriado no estado. “São Paulo tem que reverenciar esses valorosos combatentes, esses bravos paulistas que lutaram pela Constituição que foi promulgada em 1934”, declarou.

Representando a Câmara Municipal, o vereador Geraldo Voluntário destacou a importância da merecida homenagem aos revolucionários de 1932.

O evento teve ainda apresentação da Banda Sinfônica União dos Artistas Ferroviários, hasteamento de bandeiras ao som da marcha batida, leitura do texto “Os Escoteiros e Revolução de 1932”, declamação da poesia “A Última Trincheira”, execução da canção da Força Pública que deu origem à Polícia Militar e do hino da Revolução de 1932, a música Paris-Belfort.

Também participaram do evento o vice-prefeito e secretário de Segurança, coronel Marco Antonio Bellagamba; o ex-prefeito Du Altimari; o comandante da Guarda Civil Municipal, Luís Fernando de Godoy; tenente-coronel Luís Roberto Moreira Filho, comandante do 37º BPMI; delegado André Luís Alvares Müller; capitão Ludio Veludo, comandante da 1ª Cia. da PM; cabo Jacó, da 2ª Cia. da Polícia Rodoviária; subtenente Wagner Firmino da Silva, chefe de Instrução do Tiro de Guerra; entre outras autoridades e pessoas da comunidade.