Movimento Pró-Hospital inicia preparativos para elaboração de projeto do hospital regional

Prefeito Juninho assinou decreto reservando área ao hospital.

O Movimento Pró-Hospital Público Regional de Rio Claro iniciou os preparativos para elaboração do projeto arquitetônico do hospital. O assunto foi pauta de reunião realizada na noite de quarta-feira (12) com integrantes do movimento, representantes de entidades e pessoas da comunidade. O prefeito João Teixeira Junior e o vereador Geraldo Voluntário também participaram da reunião realizada no salão da Igreja Bom Jesus.

“Vamos levantar dados do SUS sobre o número de atendimentos em Rio Claro e região e, com base nessas informações, elaborar o projeto arquitetônico do hospital junto com a Associação dos Engenheiros de Rio Claro e estudantes de engenharia”, explica César Borgi, presidente da Associação Movimento Pró-Hospital Público Regional de Rio Claro. De acordo com ele, esses dados serão coletados com apoio da Fundação Municipal de Saúde e secretarias de saúde da região.

Borgi explica que tendo em mãos os números, projeto arquitetônico e levantamento de custos, terá início a busca por recursos. “O movimento, junto com prefeitos e secretários de saúde de Rio Claro e microrregião, vai buscar apoio nas esferas federal e estadual e na iniciativa privada para viabilizar o projeto”, informa o presidente, ressaltando que o projeto do hospital seguirá as diretrizes do Ministério da Saúde e não afetará outros recursos públicos destinados ao setor de saúde do município. “Cada verba tem uma destinação específica e não pode ter sua finalidade desviada. Ou seja, recursos de outros serviços não podem ser utilizados no hospital e vice-versa”, frisa.

O Movimento Pró-Hospital conta com apoio da prefeitura que reservou área para a construção do prédio, conforme decreto assinado pelo prefeito Juninho que reforça a necessidade da união de esforços para conseguir novos avanços. “Esse projeto precisa do apoio de todos, da sociedade civil, iniciativa privada, municípios da região e, sobretudo, dos governos estadual e federal, para que seja viabilizado”, conclui.