Unidade de saúde do Mãe Preta reabre com mais uma equipe de atendimento

Prédio foi reformado e ampliado e terá maior capacidade de atendimento.

Mais três mil pessoas serão atendidas na unidade de saúde da família do bairro Mãe Preta, em Rio Claro. A unidade foi reformada e ampliada, o que possibilita a implantação de mais uma equipe de atendimento e, consequentemente, mais pessoas atendidas.

A unidade será reaberta na segunda-feira (1º), com capacidade de atendimento ampliada. A USF atenderá ao todo 12 mil pessoas, três mil a mais do que antes eram cadastradas. Assim que for liberado pelo governo federal, a unidade será uma das que funcionarão em horário estendido, até as 19 horas.

“A saúde é prioridade e temos demonstrado isso”, destaca o prefeito João Teixeira Junior, lembrando as melhorias que foram realizadas no setor pela atual administração. “Inauguramos seis unidades de saúde que tiveram as obras paralisadas na administração anterior e agora quatro unidades são reformadas e ampliadas para melhor atender a população”, acrescenta Juninho.

Hoje na USF Mãe Preta duas equipes são responsáveis pelos atendimentos e a terceira será implantada para absorver a demanda e ampliar os atendimentos. Além disso, a unidade também passará a contar com especialidades de pediatria e ginecologia.

“O fortalecimento da atenção básica reflete também em melhorias nos serviços de urgência e emergência, já que com a comunidade atendida perto de sua casa diminui o número de pessoas que procuram as unidades de pronto atendimento”, observa Maurício Monteiro, secretário de Saúde.

Na reforma, a unidade ganhou seis consultórios médicos, novas salas, mais um consultório odontológico e áreas para uso dos colaboradores. As obras são resultado de parceria com o Claretiano – Centro Universitário.

Na quarta-feira (27) a unidade do Bonsucesso foi entregue reformada e ampliada à comunidade. Também estão sendo reformadas as unidades do Jardim Novo I e Jardim Terra Nova, ambas com as obras já avançadas. O investimento total é de cerca de R$ 2 milhões, custeados pelo Claretiano que utiliza as unidades para estágio dos alunos do curso de medicina.