Rio Claro elabora plano para atendimentos de saúde mental na pandemia

Pacientes são encaminhados para serviços de saúde de acordo com a classificação de risco de cada caso.

A pandemia de Covid-19 tem trazido mudanças à vida das pessoas e imposto dificuldades no dia a dia das famílias. Muitos dos problemas que surgem em decorrência da pandemia estão relacionados à saúde mental e para ajudar as pessoas a superarem este momento, Rio Claro elaborou plano municipal, que estabelece diretrizes para os atendimentos voltados ao assunto na rede municipal de saúde.

“A organização das ações se dá por meio de atuação conjunta da atenção básica, que é porta de entrada para o atendimento na rede de saúde, e da atenção especializada em saúde mental, visando garantir o atendimento adequado à população”, observa Giulia Puttomatti, secretária de Saúde.

O plano prevê que as equipes das unidades básicas de saúde e unidades de saúde da família, em sua rotina de trabalho, identifiquem as pessoas com suspeita de sofrimento psíquico, e as direcionem para a estratificação de risco. A partir de escuta especializada, o profissional identificará qual cuidado será disponibilizado ao usuário.

“As pessoas serão encaminhadas ao serviço de atendimento de acordo com as necessidades identificadas pelos profissionais que farão o atendimento nas unidades de atenção básica”, destaca Karla Damasceno, chefe de divisão da atenção básica.

Os casos com baixo risco serão encaminhados para o Telepsico, serviço de teleatendimento que deve ser implementado no município. No Centro de Especialidades e Apoio Diagnóstico (Cead), será realizado o atendimento dos pacientes com risco moderado e os pacientes classificados como alto risco serão referenciados ao Centro de Atenção Psicossocial (Caps) III. Crianças e adolescentes classificados como médio e alto risco serão encaminhadas para atendimento no Caps Infantojuvenil.

“A população que mais está sofrendo as consequências da pandemia é a dos trabalhadores da saúde”, observa Nathalia de Almeida Rodrigues, chefe de divisão da atenção especializada. O cuidado oferecido aos profissionais da saúde será realizado nas unidades da Atenção Especializada – médio risco no Cead e alto risco no Caps III. O acolhimento e estratificação de risco serão realizados no Departamento Municipal de Saúde Ocupacional. “Um dos objetivos do plano é justamente identificar e atender os trabalhadores da saúde que sofreram estresse psicológico ou traumático por causa da pandemia”, acrescenta Nathalia.